Por EM Nutrición

O gordo é gordo porque quer?

Causas orgânicas de ganho de peso e obesidade

O equívoco mais prejudicial sobre a obesidade é que as pessoas com sobrepeso são as únicas responsáveis ​​por seus quilos extras. Eles são muitas vezes considerados auto-indulgentes e de vontade fraca, o que explica a falta de apoio e compreensão para muitas crianças e adultos com excesso de peso.

Se o excesso de alimentação e a falta de exercícios fossem as únicas causas dessa doença crônica, a taxa de histórias de sucesso a longo prazo não seria abismal em cinquenta casos. Alguns fatores contribuem para a obesidade, a começar pela herança genética. Médicos da Faculdade de Médicos e Cirurgiões da Universidade de Columbia estudaram 132 gêmeos com idades entre três e dezessete anos. Em cada um dos 66 casais, ambos os jovens tinham índices de massa corporal e porcentagens de gordura corporal semelhantes, levando os pesquisadores a concluir que a composição corporal de uma criança é 80% programada na concepção.

Fazendo o papel de advogado do diabo por um momento, é lógico que os gêmeos teriam o mesmo tipo de corpo. Afinal, eles moram na mesma casa e provavelmente adotaram os hábitos alimentares da família. Mas outros estudos descobriram que mesmo irmãos criados em lares diferentes normalmente compartilham índices de massa corporal quase idênticos. Um estudo dinamarquês inovador comparou o IMC de adultos adotados com os de seus pais biológicos e os dos casais que os adotaram. Na maioria das vezes, a composição corporal de homens e mulheres adotados reflete a de seus pais biológicos e não a de seus pais adotivos.

A hereditariedade também determina em grande parte o metabolismo de uma pessoa: o processo pelo qual o corpo converte nutrientes de nossos alimentos em energia (calorias). A taxa metabólica basal (TMB) é a taxa na qual queimamos energia em repouso. Sessenta a setenta e cinco por cento de nossa energia total é gasta nesse estado para manter funções vitais como respiração, circulação, temperatura corporal, digestão e atividade glandular.

O "ritmo" metabólico de uma pessoa pode ser até 20% mais rápido ou mais lento do que o de outra pessoa. Isso equivale a uma diferença de quatrocentas calorias por dia. Assim, dois adolescentes podem andar de bicicleta e comer o mesmo número de calorias, mas aquele com menor TMB queimará menos calorias. Quando mais calorias são ingeridas do que gastas, o excesso é armazenado como gordura corporal para uso futuro. Adolescentes obesos muitas vezes tinham taxas metabólicas de repouso mais baixas quando crianças, antes de ficarem acima do peso.

No entanto, são outros fatores orgânicos que determinam em parte quais crianças podem comer o que querem e não conseguem ganhar um grama, e quais crianças enfrentam uma luta vitalícia para manter seu peso sob controle.

Resistência a insulina.

Normalmente, o hormônio insulina se liga às células dos tecidos e as ajuda a absorver o açúcar no sangue (glicose), o combustível do corpo. Em jovens resistentes, a insulina não funciona de forma eficaz. Em vez de ser queimado para obter energia, o açúcar se acumula no corpo. A resistência à insulina pode eventualmente levar ao diabetes não dependente de insulina, também conhecido como diabetes tipo II.

Níveis baixos de leptina.

Algumas pessoas são deficientes em leptina, um hormônio que parece regular o peso de duas maneiras. A substância, que é produzida pelas células de gordura, essencialmente envia sinais ao cérebro quando o corpo recebe comida suficiente. Também inibe a produção de uma enzima crucial para a produção de gordura. Em estudos de homens e mulheres com excesso de peso, os exames de sangue revelaram consistentemente concentrações extremamente baixas de leptina. A substância está sendo testada em voluntários como uma droga potencial para perda de peso.

Anormalidades cromossômicas e anormalidades endócrinas.

Muito poucos adolescentes são obesos devido a um defeito congênito ou a um distúrbio do sistema endócrino (hormonal), como o hipotireoidismo.

Última atualização
07/04/2016
Fonte
Cuidando de seu Adolescente (Copyright © 2003 American Academy of Pediatrics)